Hotel acessível em Lisboa: Internacional Design

Que tal se hospedar em um hotel que fica em região plana, perto de alguns dos principais pontos turísticos de Lisboa? Te levo lá!

 

Eu e os companheiros de viagem posando para foto no lobby do Internacional Design Hotel

 

Prioridades em viagens

 

Antes de começar este post, resolvi dedicar algumas palavras ao assunto “gastos com hospedagem”.

Cada pessoa tem uma prioridade, também no que se refere às viagens. Uns optam por investir mais dinheiro nos passeios, outros em refeições melhores, outros nas compras. Há também os que priorizam o conforto na hora de descansar ou de tomar um bom banho para restaurar as energias. Eu sou uma destas.

Por causa disso, prefiro investir em um bom hotel e reduzir os gastos com outros itens (por exemplo, quase não compro nada quando viajo).

Fico em hotéis melhores não porque tenho dinheiro sobrando; isso eu não tenho mesmo. Mas não é preciso ser rico para ficar em um bom hotel. O segredo? Viajar em baixa temporada e garimpar uma tarifa que caiba no seu bolso. Sem preconceitos: não vá achando que uma boa tarifa é encontrada apenas em sites de consolidadoras, tipo Booking. Às vezes pode sair mais barato comprar direto do hotel, ou numa agência de turismo.

Tem coisas que nem Mastercard paga, principalmente se você tiver necessidades bem específicas.

Tem preço poder usar um banheiro em que sua cadeira entra com conforto, ou em que a ducha funciona bem? Dormir em um colchão que deixará seu corpo em boas condições para um dia inteiro de aventuras? Contar com climatização perfeita? Com equipe cooperativa, competente e simpática? Não, não tem! Por isso, acho que é útil pensar melhor antes de escolher, porque um hotel baratinho pode ser muito ruinzinho e estressante. Lembre-se de que sua saúde física e mental agradecerá.

 

Hotel Internacional Design | Lisboa

 

Hotel visto da Praça do Rossio (foto de Ulysses Martins)

 

Imagine ficar em um hotel bonito, charmoso, confortável, com funcionários gentis, simpáticos, que fazem de tudo para que sua estadia seja a melhor possível? Além de tudo, esse hotel fica muito bem localizado, o que torna seus deslocamentos em Lisboa realmente simplificados? O Internacional Design é assim.

Ao lado da Praça do Rossio, ele permite que o cadeirante tenha acesso a pé – e com facilidade – a muitos pontos turísticos. Isso porque a região do entorno é plana e as calçadas estão em melhores condições que em outros pontos da cidade.

Estivemos em Lisboa em outubro de 2014. Fomos recebidos no Internacional Design pela simpática e competente Magui, que nos acolheu maravilhosamente bem, após descermos do táxi debaixo de uma tempestade. Ela não poupou esforços para que nossa experiência no hotel fosse incomparável. Mas os demais funcionários não deixaram a desejar: fomos sempre atendidos com cortesia e disposição para ajudar.

Todos os detalhes da reserva foram tratados por e-mail com o assistente João Mendes, que foi sempre solícito, objetivo e claro. Sinceramente, não estou acostumada com essa competência quando preciso entrar em contato com hotéis. É comum os funcionários darem informações parciais – e às vezes até incorretas. E infelizmente alguns chegam a ser descorteses, como se estivessem a nos fazer um grande favor ao dar informações.

 

As duas fotos acima mostram nosso confortável quarto, que ficava na ala Zen.

 

Todas as refeições são servidas no bar/restaurante Bastardo, que é muitíssimo agradável, com vista para a Praça do Rossio. As receitas são preparadas com competência pelo chef. Já falei dele em outro post, no endereço antigo do Cadeira Voadora. Clique aqui para ler.

Você pode optar por incluir o café da manhã na diária. Em tudo vale a pena: pelo conforto, pela vista da Praça do Rossio, pelos itens deliciosos do cardápio, que tem de tudo: pastelaria portuguesa, sucos, leite (incluindo de soja), chás, café Nespresso, queijos diversos, quiches, pães regionais, frutas e até espumante. Refeições são pagas à parte, mas têm bom custo-benefício.

 

Café da manhã (foto retirada do site do hotel)

 

Esta é a Praça do Rossio, que fotografei da varanda do nosso quarto.

 

No quarto, o hóspede conta com cafeteira Nespresso e cápsulas de café repostas diariamente, sem custo adicional. Além disso, produtinhos l’Occitane esperam por você no banheiro, que tem uma ducha sensacional e secador de cabelos decente, profissional.

Vidros duplos garantem um sono sem aborrecimentos, apesar de você estar ao lado da Rua Augusta, um dos principais pontos turísticos da cidade e sempre movimentada.

 

Acesso para cadeirantes

 

É bastante acessível para cadeirantes, com algumas reservas, que podem ser contornadas.

  • Não há como estacionar na porta. Será necessário parar na praça e atravessar a ruazinha em frente.
  • Tem rampa um pouco íngreme na entrada e porta de vidro pesada. Porém, o pessoal da recepção está sempre atento para ajudar.
  • No restaurante há um excelente banheiro acessível.
  • O balcão com café da manhã é alto para o alcance do cadeirante, mas os gentis funcionários compensam essa deficiência. O espaço é suficiente para circulação.

 

Banheiro do restaurante avisa, em alto estilo, que é livre de aborrecimentos.
No alto da porta, outro letreiro acrescenta: “easy, friendly, effortless, uncomplicated, simple”. 

 

  • Há um elevador (panorâmico).
  • Os corredores dos andares são carpetados, mas o piso do quarto é laminado.
  • No meu apartamento, o 302, era possível chegar até a varanda com a cadeira de rodas para admirar a bela vista da Rua Augusta (do lado esquerdo) e da Praça do Rossio (à direita).
  • Tanto o quarto como o banheiro são espaçosos, mas há alguns senões. Se optar por camas de solteiro, elas são bem confortáveis e largas, mas estarão juntas, sem nenhum espaço entre uma e outra. E não será possível separá-las, pois as mesas de cabeceira são fixadas à parede.
  • Cama em altura adequada.
  • Colchões, lençóis e travesseiros mega confortáveis.
  • O banheiro não tem barras de segurança dentro do box. E a banqueta para banho não atenderá a pessoas com dificuldades de se equilibrar, nem às obesas, pois é minúscula. Usei outra banqueta, que estava disponível no banheiro, e me atendeu. Porém, caso decida se hospedar neste hotel, sugiro que verifique se há cadeira higiênica ou banqueta maior e mais segura.

 

Banheiro tem box moderno e funcional, mas a minúscula banqueta não atende às nossas necessidades.

 

  • Há barras de apoio ao lado do vaso sanitário, espelho inclinado sobre a pia (com regulagem de inclinação) e box funcional, que torna a entrada bem facilitada. E você pode optar por usar ducha manual ou chuveiro, o que eu acho ótimo.
  • A ducha manual tem encaixe muito alto. Provavelmente, você vai precisar de alguém para retirá-la.
  • O controle de climatização do quarto fica em altura adequada, assim como o local de encaixar o cartão magnético para abrir a porta e acionar a eletricidade.

 

Mesmo com alguns problemas de acessibilidade, achei o hotel digno de nota. Vale o investimento, principalmente pelo conforto e pela localização.

 

Para ler os posts anteriores sobre Lisboa:

 

Visitando Lisboa em cadeira de rodas

Visitando Lisboa em cadeira de rodas 2

De cadeira de rodas em Portugal: Queluz, Cintra e Alentejo

 

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *