Quem tem direito a meia-entrada?

A lei mudou, e muitas pessoas com deficiência ainda estão se perguntando se têm direito a meia-entrada ou não. A advogada Meire Elem Galvão explica tudo direitinho pra vc neste post. Confira!

 

Não são todas as pessoas com deficiência que têm direito a desconto na hora de adquirir entrada para eventos.

 

Por Meire Elem Galvão

 

As cadeiras voadoras gostam de aterrissar em teatros, cinemas, shows… Por isso é pertinente falarmos sobre quem tem direito a meia-entrada.

No final do ano de 2015 entrou em vigor o Decreto nº 8.537, de 2015, que regulamenta a nova lei da meia-entrada (Lei n° 12.933, de 2013). Vou tratar aqui apenas do direito em relação à pessoa com deficiência. Prometo tentar explicar de maneira objetiva como fazer para garantir a meia-entrada.

A pessoa com deficiência tem direito a meia-entrada, desde que preencha determinadas condições.

Para garantir esse direito, ela deverá apresentar, no momento da compra do ingresso e também no local de realização do evento, um documento de identificação com foto (por exemplo: carteira de identidade, CTPS, passaporte) e cartão de Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social* ou um documento emitido pelo Instituto Nacional do Seguro Social – INSS – que ateste a aposentadoria da pessoa com deficiência segurada do Regime Geral de Previdência Social – RGPS.

 

Respostas esclarecedoras:

 

  • Que pessoa é considerada pessoa com deficiência? Aquela que possui impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com outras pessoas. Por exemplo: um usuário de cadeira de rodas, uma pessoa cega, uma pessoa surda, entre outras.
  • E se a pessoa com deficiência necessitar de acompanhante? Ele também terá direito a meia-entrada. Basta que declare a necessidade de acompanhamento ou, na impossibilidade, que seu acompanhante o faça, no momento da aquisição do ingresso e na portaria ou na entrada do local de realização do evento. Vale lembrar que somente um acompanhante terá direito a meia-entrada.
  • Em quais eventos a pessoa com deficiência tem direito a meia-entrada? Em exibições em cinemas, cineclubes e teatros, espetáculos musicais, de artes cênicas e circenses, eventos educativos, esportivos, de lazer e de entretenimento, promovidos por quaisquer entidades e realizados em estabelecimentos públicos ou particulares mediante cobrança de ingresso.

 

 

Entrada gratuita

Em uma pesquisa rápida na internet encontrei dois exemplos da prática da gratuidade do ingresso para pessoa com deficiência.

O Zoológico de São Paulo oferece a gratuidade para crianças menores de 5 anos e para pessoas com deficiência. Neste caso, trata-se de uma mera cortesia do estabelecimento.

O Município de Cuiabá (MT) editou a Lei n° 5.634, de 2013, que garante a pessoa com deficiência que possuir a Carteirinha do Passe-livre o direito ao acesso gratuito em qualquer evento cultural na Capital, seja ele de origem pública ou privada. Para ter acesso ao passe-livre os interessados devem preencher, com o auxílio de seu médico, um formulário que pode ser baixado no site da Prefeitura de Cuiabá. Em seguida, é necessário que este seja encaminhado para o Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência – CMDP –, que fará uma análise dos dados fornecidos. Caso seja contemplada, a pessoa com deficiência recebe sua carteirinha, que é válida por dois anos, podendo ser renovada.

 

anuncio-meire

 

Qual é a sua opinião?

 

Entrevistei algumas pessoas com deficiência para saber se elas apoiam a prática da gratuidade. Vejam algumas opiniões:

“Eu não concordo com a política de gratuidade e meia-entrada ligada à ocorrência de deficiência, pois perpetua o vício arcaico anterior e nunca promove o devido respeito que todos merecem. As pessoas com deficiência devem ter possibilidades de avanços pessoais, capacidade contributiva e mesmo condições financeiras com proventos que sejam resultado do próprio trabalho, para que ela pague por um ingresso em uma casa de espetáculo. E é desta forma que vamos promover importantes mudanças para este segmento, que muitas das vezes também são explorados por pessoas próximas que usurpam seu direito, pela cultura ainda de exploração da piedade alheia. Nisso tudo sou contra oferecer meia entrada ou dar gratuidade às pessoas com deficiência.” (Kátia Ferraz, educadora socioambiental e diretora executiva da Via Acessível Consultoria)

“Sou a favor da gratuidade praticada por algumas instituições, porque é um meio de praticar a inclusão.” (Eduardo Rocha, microempresário)

“Desconhecia a gratuidade total de ingresso em eventos. Numa pensada rápida sou contra, já que acho que qualquer tipo de benefício em prol da pessoa com deficiência apoia/reforça de certo modo o preconceito existente, principalmente no modo (pós) moderno em que vivemos. Já num segundo momento penso que políticas de gratuidade de ingresso em prol da pessoa com deficiência podem ter como objetivo a inserção/incentivo do mesmo.” (Ítalo Cássio, estudante)

“Sobre a lei da meia-entrada que nós temos em vigor, entendo que ela foi regulamentada num fundamento equivocado da economia ortodoxa: o de que o recorte de renda fundamenta todas as políticas de igualdade. Sobre gratuidade acho que alguns serviços, transporte coletivo devem efetivamente ser gratuitos. Serviços… tenho dúvida.” (José* – nome trocado a pedido do entrevistado)

 

E você, é a favor da gratuidade dos ingressos em eventos culturais? Compartilhe conosco sua opinião, explicando a razão dela.

Um forte abraço e até a próxima.

 

Os locais estão mais acessíveis porque as pessoas com deficiência têm saído mais de casa, ou elas têm saído mais de casa porque os locais estão mais acessíveis? O fato é que ter acesso a atividades culturais é da máxima importância. E alguns tíquetes a gente até guarda de lembrança, não é mesmo? (Imagem: acervo da Cadeira Voadora)

Os locais estão mais acessíveis porque as pessoas com deficiência têm saído mais de casa, ou elas têm saído mais de casa porque os locais estão mais acessíveis? O fato é que ter acesso a atividades culturais é da máxima importância. (Imagem: acervo da Cadeira Voadora)

 

* Benefício de Prestação Continuada – BPC – é um benefício que garante um salário mínimo mensal ao idoso acima de 65 anos ou ao cidadão com deficiência física, mental, intelectual ou sensorial de longo prazo, que comprovem não possuir meios para prover a própria manutenção de subsistência, nem de tê-la provida por sua família.

Atenção: Muitos equipamentos culturais oferecem entrada gratuita para todas as pessoas com deficiência. Procure se informar consultando o site do local.

As imagens foram extraídas da internet, exceto quando indicado.

 

Meire Elem Galvão

 

 

 

Para saber mais

Quem tem direito a meia-entrada no Brasil

 

 

Compartilhe

34 Comments

  1. A gratuidade em espetáculos artísticos, culturais e esportivos é fundamental para garantir o direito a lazer da pessoa com deficiência. Sabemos que devido a uma serie de fatores nossos gastos são maiores do que outras pessoas, carro adaptado, cadeira de rodas, órteses, cuidadores… Esses gastos aumentam consideravelmente as nossas despesas e todo tipo de Isenção favorece a igualdade. Tomamos por exemplo a compra de um carro onde temos isenção de IPI e ICMS, desconto que pode chegar até 30% do valor, mas depois da compra precisamos adaptar o carro e o desconto que obtivemos na aquisição gastamos em sua adaptação.

    • Meire Ellem D. C. Galvão

      Syaoran, agradecemos sua participação! São importantes as observações que você fez. Continue visitando o Cadeira Voadora. Beijos.

    • minha mulher tem problema na coluna com vários pinos,e tem o cartão do DSV para estacionamento, pode se apresentar o mesmo para meia entrada?

    • Disse tudo sem comentários .a maioria que opinou por aqui não pensou por esse lado .esqueceram deste importantíssimo detalhe .talvez nunca tiveram ou não tem pessoas com necessidades especiais em suas famílias . são pessoas que opinam sem a mínima experiência . parabéns a vc .bem lembrado

  2. Eu acredito que a mudança da meia entrada, houve retrocesso, não buscando defender de lados de contra ou a favor, mas pagava meia entrada em cinema. e agora com essa questão de meia entrada vinculada ao inss, devido que nem todos os deficientes físicos são assistidos pelo inss.

  3. Meire Elem D. C. Galvão

    Fernando, a meia-entrada passou a beneficiar os aposentados ou beneficiários do INSS porque acredita-se que esse público seja mais carente financeiramente. Você acredita que a meia-entrada deveria considerar apenas a deficiência, não é mesmo? Agradecemos sua participação. Aproveite para acessar os outros textos do Cadeira Voadora. Abraços.

    • Entendo a intenção da legislação em beneficiar aqueles que são mais carentes financeiramente, mas não considero que a legislação foi justa, uma vez que na maioria das vezes a acessibilidade, de forma geral, no nosso país é muito precária, o que nos faz necessitar de um acompanhante na maior parte do tempo, inclusive para ir ao cinema, teatro ou qualquer atividade cultural, e sempre temos que arcar com os custos em dobro.

  4. BOM DIA!!!
    Preciso muito de um esclarecimento.
    Um determinado parque aquático aqui de SP informa que meu filho AUTISTA DE 4 ANOS (tem laudo ) CID F-84 NÃO têm direito à meia entrada pois, SENDO ÁREA DE LAZER NÃO têm direito a à meia entrada! Isso é verdade ???

    • Cara Fernanda,

      Agradeço seu contato e sua pergunta, pois pode ser também a dúvida de outras pessoas.

      A Lei Federal 12.933 de 2013, lei da meia-entrada, se aplica aos parques aquáticos e não faz acepção de deficiência para que o benefício seja concedido. O autismo é considerado deficiência, de acordo com o §2º do art. 1º da Lei 12.764 de 2012.

      Sugiro que você faça por escrito uma representação ao responsável pelo parque, informando a legislação e os direitos do seu filho. Nesse documento anexe o laudo médico. Diga que a lei precisa ser respeitada e que irá aguardar o prazo de 15 dias para solução do problema. Faça o documento em duas vias, indique todos seus meios de contato e leve até o estabelecimento. Solicite um protocolo de recebimento ou peça àquele que receber que assine e date sua via, ou faça a representação por e-mail (não esqueça de anexar o laudo médico). Aguarde o prazo.

      Caso o problema não seja resolvido procure a Procuradoria do Ministério Público especializada na defesa dos direitos da pessoa com deficiência, leve toda a documentação e registre sua denuncia.

      O direito existe, para que seja exercido é necessário conhecê-lo, fiscalizar quem deve garanti-lo e exigir seu cumprimento. Se mantermos uma posição passiva e nos calarmos, as instituições que não respeitam a legislação e o ser humano irão continuar desrespeitando-os.

      Espero que eu tenha sido clara.

      Desejo sucesso.

      Att.,

      Meire Elem Diniz Costa Galvão
      Advogada – OAB/MG 164.893

  5. E PRA COMPLETAR: OS ÚNICOS DEFICIENTES QUE TÊM DIREITO À MEIA ENTRADA (50%) SÃO OS QUE TÊM HEMIPLEGIA OU PARAPLEGIA! *ESTÁ NO SITE DELES.
    ELES PODEM ESCOLHER QUE PODE TER DIREITO À MEIA ENTRADA???
    POIS, É UM PARQUE AQUÁTICO ( SERIA ÁREA DE LAZER)
    AGUARDO RESPOSTA.

  6. Eu achei um retrocesso a lei da meia entrada. Embora eu corrobore com a ideia de que a PCD em uma situação ideal deveria ter as mesmas obrigações que qualquer outra pessoas desde que seus direitos fossem cequiparados na medida das diferenças impostas pela sua deficiência. Então eu defendo que PCD paguem impostos, serviços como qualquer outra pessoa, mas tenha garantido o acesso aos bens/tecnologias e serviços necessários para diminuir ou anular suas dificuldades descontado dos impostos que paga a sociedade como um todo. Infelizmente não é o que acontece no Brasil. Muito embora a lei garanta reabilitação, cadeira de rodas, órtese, etc, na prática não é bem assim. Os gastos com a deficiência são imensos e essas pessoas ainda tem menos oportunidades de trabalho e cidadania. Um percentual mínimo desta população vai ter acesso a um bom salário que permita sua sobrevivência, reabilitação, tecnologia e lazer. Falta à PCD acesso à cultura, ao esporte e ao Lazer. Cadeirantes ainda tem mais restrição por que a mobilidade urbana é sofrível. Enquanto não existe equidade na participação da PCD na sociedade toda a forma de acesso deve ser facilitada. Uma pessoa com deficiência, cadeirante, que trabalhe e ganhe um salário mínimo dificilmente vai ter condições de ir ao cinema ou ao teatro, também não vai poder jogar bola no parque, ou andar de bicicleta na Paulista, mas por aí tem muita gente preocupada de que essas pessoas tenham alguma vantagem…

  7. Meire Elem Galvão

    Cara Andreia, seu comentário foi enriquecedor! Obrigada por compartilhar sua opinião conosco.
    O que a pessoa com deficiência precisa e tem direito é de oportunidades em igualdade de participação com os demais, jamais vantagens! Que possamos lutar sempre para tornar efetiva e material essa igualdade e não nos esqueçamos de rechaçar qualquer iniciativa que almeje obtenção de vantagens.

  8. E se a pessoa portadora de deficiência física não for aposentada pelo INSS, tampouco receba o benefício de Prestação Continuada. Essa pessoa terá o direito da meia entrada? Mesmo não possuindo um dos documentos necessários citados no art. 6º do Decreto 8.537/2015?

  9. Gabriel, neste caso a pessoa com deficiência só terá direito a meia entrada se for jovem de baixa renda ou estudante. Para isso deverá apresentar a Identidade Jovem ou a Carteira de Identificação Estudantil, respectivamente e conforme a legislação.
    Agradeço sua participação.
    Abraços,

  10. As pessoas que são contra os benefícios ao deficiente provavelmente não devem ter alguém assim na familia, pois se o meu filho não fosse deficiente, ele estaria trabalhando, contribuindo, e no entanto ele não pode trabalhar e dá muito gasto. Sou a favor a meia entrada e tudo que tiver direito, pois ninguém sabe o que uma família passa com um deficiente, mesmo havendo inclusão, o mundo ao redor discrimina. São poucos que o ajudam e ainda muitos que discriminam.

    • Querida Edna,
      As pessoas tem opiniões diversas mesmo vivendo realidades semelhantes. Em partes considero ser importante essa diversidade de pensamentos, pois dialogando podemos aprender e evoluir. Realmente ainda vivemos em um mundo que não é totalmente inclusivo e ainda somos preconceituosos, mas tente perceber o quanto já evoluímos. A lei da meia-entrada para a pessoa com deficiência é um exemplo disso.
      Agradeço sua participação, é sempre bem-vinda!

  11. Concordo e respaldo a meia entrada para portadores de deficiência, principalmente aqueles que não possuem condições de participar de uma cidadania plena, ou seja, um ser com direitos e deveres. O Governo não apóia e investe nos tratamentos, a sociedade não apóia e é totalmente excludente e preconceituosa, a maioria das escolas não estão preparadas e não recebem os portadores de deficiência. Como poderão sair desta situação se nem sempre possuem recursos? Uma família com um deficiente muitas vezes precisa de alguém para acompanhar essa pessoa já que muitas vezes precisamos de atenção 24 HS, portanto nessa família já são duas pessoas que não têm condições de trabalhar, gerar recursos e muito menos contribuir. Também discordo da lei pois muitos portadores de deficiência não recebem aposentadoria mas precisam ter acesso a cultura e lazer como qualquer pessoa. Não acho que seja favor, benevolência ou assistencialismo, estamos falando de direitos. E também discordo das pessoas que não apóiam essa causa, entendo que possuem uma visão simplista e irreal desta situação. Qualquer pessoa com certeza gostaria de ter condições físicas, mentais, emocionais e sociais ( inclusive) para concluir seus estudos, ter acesso ao mercado de trabalho e exercer plenamente sua cidadania cumprindo com seus direitos e deveres.

  12. Marciléia,
    Peço desculpa pela demora da resposta.
    Agradeço seu comentário. A participação dos leitores é muito importante, pois a opinião de cada um acrescenta muito.
    A nossa sociedade como um todo, governo e população em geral, ainda precisa evoluir muito no respeito e garantia de direitos para todas as pessoas, inclusive as pessoas com deficiência. Contudo, precisamos observar também o quanto já avançamos, quantas conquistas já obtivemos. Essa é uma grande vitória!
    É importante destacar que a meia-entrada não é apenas para a pessoa com deficiência aposentada, mas também para a pessoa que recebe o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social, ou seja, pessoas que vivem em situação de miserabilidade.
    Vamos continuar lutando por nossos direitos e principalmente informando às pessoas aqueles que já existem.
    Beijos.

  13. ALEXANDRE GOUVEIA MARTINS

    Questiono a legalidade do decreto, pois não garante meia entrada às PCD, apenas àquelas vinculadas ao INSS. Além de não regulamentar adequadamente o que diz a Lei, é uma discriminação negativa e excludente. Houve retrocesso, direitos foram retirados.

  14. Alexandre,
    Comentários como o seu enrique a discussão e nos leva a pensar.
    Antes da Lei Federal nº 12.933/2013, cada estado regulamentava esse benefício. E ainda hoje, se houver legislação estadual mais benéfica do que a federal, ela deverá prevalecer. Assim, o retrocesso pode não acontecer de fato. Quanto a garantir a meia entrada apenas às pessoas com deficiência vinculadas a Previdência Social… Vale lembrar que, de acordo com o § 2º do art. 6º do Decreto nº 8.537/2015, quando for instituída a avaliação da deficiência prevista no § 1º do art. 2º da Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015, não serão mais exigidos os documentos que comprovem a vinculação com a Previdência Social.
    Forte abraço,

  15. O que ainda não vi ninguém comentar é que o decreto extrapolou os limites da Lei, já que conforme esta o direito seria das pessoas com deficiência e o decreto limitou o direito ao deficiente inválido.

  16. Renato,
    É muito bom receber essas reflexões…
    Na verdade, o comentário do Alexandre Martins é semelhante ao seu. E como eu disse acima, acredito que quando for instituída a avaliação da deficiência prevista no § 1º do art. 2º da Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015, o benefício deverá ser estender a toda e qualquer pessoa com deficiência, sem a necessidade da exigência dos documentos que comprovem a vinculação com a Previdência Social.
    Forte abraço,

    • Desculpe minha ignorância, mas não ficou claro para mim essa avaliação da deficiência prevista no § 1º do art. 2º da Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Hoje o benefício da meia entrada está TOTALMENTE condicionado ao BPC ou a aposentaria por invalidez? Ou apresentando laudos médicos que comprovem a deficiência o benefício será concedido?
      Minha filha possui deficiência mental, não recebe BPC e nem é aposentada, sendo assim ela não possui esse direito? é isso?

  17. Sou totalmente a favor da meia entrada e da gratuidade. Sim, porque, os deficientes já têm tanta dificuldade no dia a dia, porquê não poder dar um passeio? Todos necessitam. Já são privados de muitas coisas por causa da deficiência, então, porque seria preconceito motivar um divertimento, uma coisa tão boa, saudável e importante. Pois, para quem não sabem, muitos deficientes entram em depressão por não poder fazer as coisas como os outros. A família normalmente tem muitos gastos para darem o essencial como remédios, suporte, adaptações e etc. Dessa forma, acabam não podendo se divertir por não ter condições financeiras, mas, com esse desconto da meia entrada ou a gratuidade, dão a essas pessoas que enfrentam todos os dias dificuldades, a possibilidade de viver melhor, porque se divertir não é um luxo, é uma necessidade, e somente quem vive na pele, é que sabe o quanto faz diferença na vida de quem é privado de tantas coisas. Parabéns a quem fez essas leis, com certeza tem um coração bondoso e estava pensando em fazer o bem as pessoas especiais, obrigado.

    • Telma, seja bem-vinda ao Cadeira Voadora! Sou Laura, autora do blog.

      Você está certíssima quando diz que “se divertir não é um luxo, é uma necessidade”. Assino embaixo.

      Forte abraço!

  18. Priscila DIniz Pinheiro

    Aos que acham retrocesso a meia entrada lhes digo: vocês sabem quando os pais e pessoas deficientes gastam em terapias e suportes para manutenção da vida dessas pessoas? sabem quanto uma mãe de um acriança autista gasta com terapias? sabem quanto custa uma cadeira de rodas e outros móveis adaptados? e sabem que isso sai do bolso das pessoas pq o serviço público não dá o suporte necessário!!! Vocês acham que temos dinheiro para promover o lazer de nossos filhos?
    NÃO TEMOS!
    A constituição nos assegura tratar os iguais de forma igual e os diferentes de forma diferente, isso é o Princípio Constitucional da Igualdade, assegurado na Constituição Federal de 1988 que dispõe em seu artigo 5º, caput, sobre o princípio constitucional da igualdade, perante a lei, nos seguintes termos:

    Artigo 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes.

    O princípio da igualdade prevê a igualdade de aptidões e de possibilidades virtuais dos cidadãos de gozar de tratamento isonômico pela lei. Por meio desse princípio são vedadas as diferenciações arbitrárias e absurdas, não justificáveis pelos valores da Constituição Federal, e tem por finalidade limitar a atuação do legislador, do intérprete ou autoridade pública e do particular.

  19. Priscila fiquei feliz por seu contato e, mais ainda por saber que conhece os direitos previstos na Constituição Federal.
    Só gostaria de esclarecer que quando as pessoas falam sobre retrocesso, elas querem dizer que antes da Lei da Meia-entrada bastava a pessoa ter deficiência que era concedido o benefício da meia-entrada. Após a lei esse direito está condicionado a comprovação de que a pessoa recebe o benefício LOAS ou que é aposentada por invalidez. Assim, alguns entendem que é um retrocesso.
    Forte abraço,

  20. Acho q a pessoa com deficiência deveria ter o direito a isenção total do valor,pois não aproveitam como um todo o que lhe está sendo proposto como as demais pessoas, fora que quem cuida de uma pessoa especial tem gastos muito maiores as vezes do que podemos arcar,em algumas cidades já existe essa lei, aqui em São Paulo São alguns que aderiram,porém ouvi dizer q tem uma lei q isenta o especial de pagar tarifas,estou procurando para saber mais e fazer valer o direito do meu filho, uma vez q hoje liguei no Magic city (parque aquático ) e eles querem q meu filho pague meia, lá o ingresso custa 120,00 apenas a entrada ,aí vcs acham justo eu q não posso trabalhar pq tenho q me dedicar 100% ao meu filho ,pagar 60,00 pra que ele tenha o mínimo do lazer?!
    Achei um absurdooooo isso…
    Se alguém souber o número dessa lei que garante a isenção me passe por favor

    • Laura,
      Agradeço sua participação, pois enriquece o diálogo.
      Quanto ao fato de você defender a isenção eu respeito. Agora o fundamento é que acredito estar equivocado. Veja só, a deficiência da pessoa e a atividade de lazer podem ser de vários tipos, e, por isso, não é possível afirmar que “essas pessoas não podem aproveitar como um todo o que está sendo proposto”, como você afirmou.
      Não há lei federal que dê isenção para entrada em eventos as pessoas com deficiência. Contudo, conforme mencionado no texto, há municípios e/ou instituições que adotaram essa prática, mas por mera liberalidade e não por obediência a legislação federal.

  21. vitória Aparecida

    boa tarde. tenho certeza que as pessoas que são contra, não tem um filho com deficiência. não vou criticar não, porque talvez ha 06 anos atras eu também pensasse assim. só para conscientização. vocês não tem noção do que é pagar 500 reais por mês em um apenas um medicamento, não ter direito a receber o BPC porque você tem uma máquina de lavar roupa em casa, gastar 03 pacotes de frauda por mês em uma criança de 05 anos, não ter condição de trabalhar por ter uma pessoa que depende de você pra tudo. por experiência de causa, sou a favor e luto para que esses direitos sejam respeitados. atualmente estou presidente de uma associação recém fundada que luta em minha cidade pelos direitos da pessoa que tem autismo. meu conselho hoje é: não precisamos passar por uma situação é só nos colocar no lugar do outro.

    • Vitória Aparecida,
      Parabéns por sua luta. Permaneça nela e conte conosco.
      Saiba que você pode pleitear no judiciário o medicamento. Além disso, em relação ao BPC, não mais deve ser analisado apenas o critério da renda. É preciso analisar caso a caso, inclusive ponderando o gasto com medicamentos. Se desejar mais informações envie um e-mail para advogada@meiregalvao.com.br
      Forte abraço.

  22. É um absurdo esse condicionamento da meia-entrada à aposentadoria ou recebimento do BCP! É totalmente inconstitucional um decreto retirar um direito que os deficientes já tinham e não era condicionado a nada. Alguém já ouviu falar no Princípio da Proibição do Retrocesso Social? Princípio da Igualdade Substancial? O quê faz a bancada pro-deficientes na Câmara e no Senado (Mara Gabrilli, Romário, Rosinha da Adefal, Otávio Leite etc.) que permite que essa excrescência seja aprovada ? Sou tetraplégico e trabalho para conseguir pagar minhas despesas. Tenho auxílio de funcionários contratados para me ajudar, tenho despesas enormes com medicamentos. A Prefeitura de minha cidade quase nunca cumpre o dever de me fornecer material para cateterismo. Tenho que comprar esse material no comércio e gastar muito com isso. Tenho q gastar com transporte, pois a minha cidade não tem ônibus adaptados. E ainda tem: manutenção de cadeira de rodas, consultas médicas e as demais despesas que todas as pessoas têm. Meus gastos são MUITO maiores do que o de uma pessoa sem deficiência. E esses políticos safados ainda restringem o meu direito ao lazer… Deficiente que trabalha e que produz não tem direito à meia-entrada. Isso é um absurdo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *