Sistema de Itinerários Acessíveis (SIA) da cidade de Porto (Portugal)

 

 

Não sei se você se recorda: no texto sobre acessibilidade em Porto (Portugal), adiantei que teríamos um post exclusivo para compartilhar as entrevistas que fiz sobre o Sistema de Itinerários Acessíveis (SIA).

Colaboraram com o blog os arquitetos Lia Ferreira, Provedora Municipal dos Cidadãos com Deficiência da Câmara Municipal de Porto, que é também cadeirante, e João Pestana, coordenador do SIA.

O trabalho que estão realizando merece ser acompanhado e, não tenha dúvida, pode ser replicado em nossas cidades. Vamos conhecer? Vem comigo!

 

Sistema de Itinerários Acessíveis (SIA)

 

Lia nos recebeu com muita gentileza em seu gabinete e convidou a estar conosco o arquiteto João Pestana, coordenador do SIA, a fim de que trouxéssemos para o Brasil informações detalhadas.

É preciso que iniciativas desse tipo sejam conhecidas, particularmente no caso de Porto, que abriga importante patrimônio histórico e tem topografia desfavorável a pessoas com mobilidade reduzida. Esperamos que prefeituras de cidades históricas como Paraty, Tiradentes e Mariana, todas no Brasil, se sintam motivadas, com mais este exemplo, a abrir mão de suas frágeis justificativas para a falta de acessibilidade.

O Sistemas de Itinerários Acessíveis pode ser acessado através de um portal on-line. Tem como base a estrutura do metrô e permite a consulta de percursos entre dois pontos previamente escolhidos. A Provedoria é a responsável pela articulação entre o portal e público.

Trata-se de uma iniciativa para garantir a sustentabilidade da cidade, que prevê o envelhecimento da população, e não exclusivamente deseja atender a pessoas com deficiência. Veja abaixo o flyer, que deixou muito clara a intenção do sistema.

 

 

Entrevistas com os arquitetos

 

Para ter acesso ao perfil de Lia Ferreira no Facebook, clique aqui.

 

 

Torre dos Clérigos: 240 degraus

 

Em 3/12/2015, data em que se comemora o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, foi inaugurado o Percurso Acessível e a Sala A + (Acessibilidade +) na Torre dos Clérigos, que é um dos principais pontos turísticos de Porto.

Aproveitando os trabalhos de renovação do edifício, foi proposta a instalação de uma sala de percepção que simula a experiência de subida ao alto da torre, uma vez que não foi possível proporcionar acesso ao topo. A passagem é estreita e não oferece condições para isso.

Veja o vídeo que fiz, mostrando a sala.

 

 

 

Segundo Lia Ferreira, “o objetivo deste trabalho foi alertar para a necessidade de uma mudança de paradigma e mostrar que, mesmo em património edificado secular, é possível fazer mais e melhor, promovendo a integração e inclusão de todos”. Não é necessário dizer que o Cadeira Voadora é totalmente fã dessa postura inteligente e inclusiva, não é mesmo?

 

Percurso acessível

 

O Percurso Acessível é composto por uma entrada lateral, que fica numa rua muito estreita (Rua da Assunção). Um segurança nos levou até essa entrada, porque nós não a estávamos encontrando. Ela não fica liberada ao público; o segurança abriu para nós. Veja o print que fiz do Google Maps:

 

Print do Google Maps mostrando a ruazinha lateral, à esquerda. No alto da rua fica a entrada acessível

 

Através de uma rampa, tem-se acesso a uma sala, onde está a recepção, o banheiro acessível e o elevador. Pedi para usar o banheiro, a fim de verificar a acessibilidade, que é adequada. O espaço é muito amplo, mas estava ocupado em grande parte com objetos dos funcionários: sombrinhas, itens de higiene bucal, agasalhos. A funcionária tratou de afastar algumas coisas para que eu pudesse entrar.

O elevador leva até à Sala A +, no 4º andar, que tem uma cápsula cilíndrica revestida com painéis de cortiça (você a conheceu no vídeo que publiquei acima). Dentro do cilindro, há sete monitores capazes de, em tempo real, mostrar as imagens que são capturadas por câmaras, posicionadas estrategicamente, no alto da torre. Infelizmente, no dia em que a visitamos, estava nublado e com chuva intermitente, então não foi possível ter visibilidade.

 

A bela vista do Porto obtida a partir da torre. (Foto de Pedro Nuno Caetano, retirada daqui)

 

É importante mencionar que a sala está aberta a todos, e não exclusivamente às pessoas com deficiência, pois dessa forma ela não segrega este público.

Iríamos visitar também a Igreja dos Clérigos, que faz parte do conjunto. Porém, não estava aberta no dia, apesar de ser horário de visitação; não conseguimos entender a razão que nos foi exposta (algumas vezes tenho dificuldade de entender o sotaque lusitano, dependendo da pessoa que está falando). Infelizmente, não tivemos ocasião de retornar, já que ficamos poucos dias na cidade.

 

 

Para Lia Ferreira, “Nós podemos estender os limites da inclusão, ou seja, podemos esbater os limites daquilo que se considera ser impossível. Eu pretendo devolver a cidade ao cidadão, devolver a cidade às pessoas, e não apenas à pessoa com deficiência, porque todos somos potenciais pessoas com deficiência ou incapacidade, porque as mesmas surgem com o avanço da idade”.

 

Quantos dias ficar na cidade?

 

Convido você a conhecer, com calma e atenção, o site do SIA, assim como as rotas acessíveis, ainda que não pretenda conhecer a cidade. Bem, isso seria uma pena, porque vale dedicar alguns dias a visitá-la. E não creia naqueles que lhe falarem que três dias são suficientes. Sim, podem até ser, mas apenas quando o que se deseja é uma visão superficial. Se eu fosse você, destinaria no mínimo cinco dias a percorrer as lindas ruas e construções históricas, fazer uma visita a Gaia e, quem sabe, um passeio de barco até as vinícolas…

Se você tiver a mobilidade reduzida, então, mais um motivo para estender a estada. Creia: não tivemos tempo de visitar muitos pontos de interesse. Mas não se pode negar que isso é uma boa razão para retornar, não é mesmo?

 

Fotografia da Rua das flores, que foi transformada em via partilhada

 

Fotografia da entrada acessível aos Paços do Concelho da Câmara Municipal do Porto

 

Travessia de pedestres na cidade de Porto, em direção ao Gabinete do Munícipe. (Todas as fotos pertencem ao site do SIA, exceto quando indicado)

 

 

Para saber mais:

 

Atenção: nenhuma informação deste post deve ser compreendida como definitiva, porque tudo muda o tempo todo, e muitas vezes atualizações dos sites ainda não foram possíveis.

 

Porto: itinerário acessível | No centro histórico, a Estação Ferroviária de São Bento é um ponto de chegada e uma referência geográfica, de onde partem os três itinerários acessíveis sugeridos nesta página, assinala os pontos de interesse mais importantes.

 

Câmara do Porto mostra cidade acessível, inacessível e assim-assim | Para compreender ainda melhor como funciona o SIA, você pode ler esta reportagem

 

Travessia na Avenida dos Aliados, na Baixa do Porto. Estamos subindo em direção ao Gabinete do Munícipe, para o encontro com Lia (foto do meu acervo)

 

Compartilhe

2 Comments

  1. MARCOS FONTOURA DE OLIVEIRA

    Querida Laura, seu blog me estimula a continuar acreditando em cidades para todas e todos. Agora que já temos o mapa de declividades podemos criar o Sia-BH, não acha?
    Aproveito para lhe parabenizar pelo prêmio de gentileza urbana: compartilhar o saber é uma bela maneira de ser cidadão.
    abraços do amigo Marcos Fontoura

    • Marcos, muito obrigada!

      Saiba que vc sempre foi uma referência para mim, pelo conhecimento, pela ética, pela competência e pela disposição de compartilhar seu saber e lutar por um mundo mais justo.

      Podemos criar o SIA com certeza! Voltei de Porto inspirada.

      Um grande beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *