Tirolesa adaptada em Minas Gerais

O cadeirante que está em Belo Horizonte pode aproveitar o fim de semana para fazer tirolesa bem pertinho, no povoado de Casa Branca, município de Brumadinho. Vem comigo?

 

Esta sou eu, na tirolesa do Verde Folhas (Crédito das fotos: Marta Alencar, exceto quando indicado)

Esta sou eu, na tirolesa do Verde Folhas (Crédito das fotos: Marta Alencar, exceto quando indicado)

 

 

Por Laura Martins

 

Em 2015, experimentei pela primeira vez a tirolesa do complexo de lazer Verde Folhas, uma delícia de lugar no povoado de Casa Branca, a apenas 35km de Belo Horizonte. Este post estava no endereço antigo do blog e está sendo transferido para cá a fim de facilitar a consulta.

Voltei ao Verde Folhas inúmeras vezes para passar o dia por lá, e cheguei a fazer a tirolesa novamente. Contudo, antes de ir, sempre é bom telefonar para checar as informações e verificar se está tudo funcionando direitinho, para evitar frustrações, não é mesmo? O endereço está no fim do post!

Foram Tina Descolada e Marta Alencar que me convidaram para conhecer o espaço Verde Folhas. Elas me seduziram com a história de que no local havia pousada e restaurante com acessibilidade – e esportes de aventura, incluindo tirolesa adaptada para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Rá! Foi a conta de ajustar um fim de semana, buscar mais companhia e #PartiuCasaBranca

Ficamos na pousada e passamos um fim de semana delicioso. E ainda participei de plantio de árvores numa proposta de inclusão e cidadania promovida pela Tina.

 

Andrea Drummond me ajuda a plantar a "minha" árvore...

Andrea Drummond me ajuda a plantar a “minha” árvore…

 

 

Espaço Verde Folhas

 

Quem poderia suspeitar que tão perto da capital mineira teríamos acesso a descanso, lazer, esporte e contato com a natureza, em uma área verde preservada, dentro de uma exuberante mata de transição atlântica e vegetação de cerrado?

No mesmo local, há pousada, restaurante, lojinha, cachoeira, laguinho, esporte de aventura… e quase tudo acessível para as cadeiras voadoras.

 

Espaço Verde Folhas

Espaço Verde Folhas, com restaurante ao fundo

 

Eu logo quis experimentar a tirolesa! Você verá que a experiência é perfeitamente possível para qualquer pessoa que tenha o desejo de fazê-la. Vou te explicar direitinho.

No espaço, há outros esportes de aventura que podem ser praticados por pessoas que não têm deficiência: arvorismo, rapel, parede de escalada, trapeloco, trekking e minienduro. Além de proporcionar lazer e diversão, esses esportes desenvolvem o trabalho em grupo, a superação de limites, o poder de decisão e mostram a importância da segurança e da vivência em ambientes naturais.

 

 

Tirolesa adaptada

 

O espaço conta com 6 tirolesas. A adaptada fica dentro do circuito de arvorismo, e a experiência acontece a partir da parede de escalada, que tem 8 metros de altura. O site explica: “No alto da parede há uma plataforma onde o praticante é conectado a uma roldana e desce pela tirolesa por uma distância de aproximadamente 90 metros”. Você pode imaginar que delícia de experiência voar pelo cabo de aço? Eu sei que pode! 😉

 

Estou sendo içada pelo Diego até o alto da parede de escalada

Estou sendo içada pelo instrutor Diego até o alto da parede de escalada

 

 

O outro instrutor me aguarda no alto da parede, para dar continuidade ao processo!

O instrutor Ronnie me aguarda no alto da parede, para dar continuidade ao processo!

 

Tudo é bastante seguro e confortável. Os dois monitores que cuidaram da minha experiência demonstraram estar bem preparados: me deram explicações detalhadas sobre tudo e sempre me perguntavam se estava tudo bem, se eu estava confortável, se já estava pronta para a aventura. No Verde Folhas, fazemos a tirolesa assentados; então, é reduzido o risco de trancos, movimentos bruscos ou dores musculares por causa da postura.

Um deles me prendeu com tiras que tinham ganchos de fixação. A seguir, me transferiram da cadeira de rodas para a cadeira que seria presa ao cabo – e na qual eu desceria. Se vc tem dificuldade de fazer transferências, talvez seja uma boa ideia levar mais alguém para auxiliar…

Depois, fui guinchada até o alto da parede de escalada. Lá no alto, o monitor me perguntou se poderíamos iniciar a descida.

Enquanto isso, o outro monitor desceu com a cadeira de rodas até o ponto além do lago, onde seria o meu pouso. Marta Alencar fotografou toda a experiência, que foi filmada pelo Leo. Assessores queridos e perfeitos em tudo!

 

Antes de ser içada, são presas algumas tiras e ganchos de fixação (servem como back-up, ou seja, se algo falhar, são essas tiras que vão me segurar!)

O instrutor Ronnie prende em mim algumas tiras e ganchos de fixação (servem como back-up, ou seja, se algo falhar, são essas tiras que vão me segurar!)

 

Outro importante item de segurança: o capacete

Outro importante item de segurança: o capacete

 

 

Em alta velocidade

 

Foi dada a partida! Passei por entre as árvores, sobre a cabeça das pessoas, atravessei o lago em alta velocidade, e, chegando ao destino, a cadeirinha da tirolesa parou suavemente, suspensa ao solo.

O monitor Diego me perguntou se eu preferia pousar na minha cadeira de rodas ou no gramado. Achei mais fácil pousar no solo. Mas lembre-se: depois será necessário subir na cadeira de rodas; então, talvez vc ache mais simples pousar na cadeira.

A seguir, a cadeira para tirolesa foi desatada, e meu capacete, retirado.

 

Pousei no gramado, porque achei assim mais fácil. O instrutor está desatando tiras e ganchos.

Pousei no gramado, porque achei assim mais fácil. O instrutor está desatando tiras e ganchos.

 

Estou entre Ronnie e Diego, os dois instrutores responsáveis pela minha primeira experiência com a tirolesa

Estou entre Ronnie e Diego, os dois instrutores responsáveis pela minha primeira experiência com a tirolesa

 

 

A experiência é muito rápida (que pena!), mas deliciosa. Se dá vontade de repetir?? Com certeza…

Eu te recomendo fortemente! Você pode passar o fim de semana na pousada, ou pode ir apenas para praticar a tirolesa. Todas as informações estão no site, que te informo abaixo.

No endereço antigo do blog há post sobre o restaurante e a pousada. Clique aqui para ter acesso!

 

 

Para saber mais:

 

Site do Verde Folhas

Como chegar

 

E, por fim, um vídeo curtinho mostrando meu salto de tirolesa…

 

 

 

Compartilhe

2 Comments

  1. cristina santos da silva

    Olá, Bom dia!!!
    Meu nome é Cristina Gestora em Turismo e gostaria de entra em contato com dona do blog para troca informações referente ao turismo acessível do Brasil e juntas troca experiencias… Sou Pessoa com Deficiência física apaixonada pelo meu curso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *